domingo, julho 10, 2011

O Entra e Sai...



A certeza saiu; foi embora!...
Bateu a porta na minha cara.
Trancou por fora inteiras metades...

E agora?...

Levou-me tudo a bandida.
Inclusive o que me parecia nada
diante de tanta convicção...
Deixou a casa revirada,
atrasou todos os relógios;
até o cuco que encantava as horas
outrora apenas desencontradas,
e agora perdidas na saída desavisada...

Revolveu-me a paciência,
bebeu e comeu minhas reticências
para vomitá-las, devolvê-las em dobro, -
em malditas interrogações...

Tem que voltar, essa desnaturada...
Precisa abrir essa porta.
Meus eus precisam entrar!
Preciso juntar o que sobrou
de mins, colar os cacos da alma,
viver, respirar, ser... em calma.

...

Era uma vez uma certeza,
a entrar e sair sem aviso
pela porta da minha história...

ju rigoni (2003)


Visite também

Medo de Avião, Dormentes, Navegando...

21 comentários:

Eliane F.C.Lima disse...

A poesia é isso: um discurso que cabe em mil bocas, revela a verdade de muitas pessoas, mesmo que seu último desejo seja a verdade. Nesse momento, essa poesia fala por mim.
Eliane F.C.Lima

manuela baptista disse...

a certeza de um poema

apenas


abrindo as portas a todas as histórias

um beijo

manuela

Tania regina Contreiras disse...

Lembrei do meu mantrinha diário de ultimamente, Ju: já não quero estar certa, prefiro ser feliz! :-)
Como sempre, seu poema me pega e me olha frente a frente, como um espelho!
beijo, querida!

António Gallobar disse...

Olá

Saio daqui com a alma cheia, mesmo que as certezas tenham partido.

Parabens adorei amiga Ju

Beijinho

vitorchuvashortstories disse...

Olá, Ju!

Sai a certeza sem dizer "água vai", deixando o espaço entregue às dúvidas, não pensando certamente que quem com elas fica muito trabalho vai ter para com elas lidar...

Bonito.
Beijinhos, boa semana.
Vitor

N. Barcelli disse...

Depois de sair, dá algum trabalho para que a certeza volte...
Magnífico poema, como sempre.
Querida amiga Ju, desejo-te uma boa semana.
Beijo.

Graça Pereira disse...

Minha Querida

A certeza é isso mesmo: uma desnaturada! Mal de nós que pusemos a nossa confiança nela...Os poetas, pegam nas interrogações e nas reticências e fazem este maravilhoso poema. Nós, os vulgares mortais, contentam-se com este entra e sai e...já não perguntam mais!
Beijo e uma boa semana.
Graça

Sonhadora disse...

Minha querida

Já tinha saudades de ler os teus poemas maravilhosos...como sempre fortes e belos.
Estou melhorando e já conseguindo visitar os amigos para agradecer o carinho que me deixaram.

Beijinhos
Sonhadora

mfc disse...

A certeza que tudo é recomponível!
Sempre!

Maria Emilia Xavier disse...

Às vezes quando aqui venho encontro a descrição daquilo que no momento vivo e me desespera. Estou numa fase de perguntas, sem as certezas - antigas e companheiras - alicerces de uma vida. AH, você não sabe como foi bom te ler.
Obrigada amiga, mas estou ótima de saúde, apenas cheia de interrogações irrespondíveis nesse momento.

Maria Emilia Xavier disse...

Às vezes quando aqui venho encontro a descrição daquilo que no momento vivo e me desespera. Estou numa fase de perguntas, sem as certezas - antigas e companheiras - alicerces de uma vida. AH, você não sabe como foi bom te ler.
Obrigada amiga, mas estou ótima de saúde, apenas cheia de interrogações irrespondíveis nesse momento.

Nadine Granad disse...

Por que será que sempre é bom lê-la?!!!

Adorei... as pontuações que muito dizem!... Sensacional!!!


Beijos =)

http://sinfoniaesol.wordpress.com disse...

Estive aqui silenciosamente
lendo a sua poesia/gostei.
Bj.
Irene

Graça Pereira disse...

Minha Querida
PF...poderás dar um pulinho ao Zambeziana? Agradecida.
Bjs
Graça

ju rigoni disse...

Fui, vi, e adorei, Graça!
Muitíssimo obrigada pela publicação, minha querida.

E, como você deve imaginar, pelo teor do e-mail que lhe enviei quando escrevi o poema, foi também uma surpresa e tanto.

Bjs, querida amiga, e inté!

Rogério Pereira disse...

Fui lendo
Lendo e vendo
Ler sem ver
É como amar sem sentir

Fiquei lente

Nita disse...

Belíssimo poema!
Beijinho e bom fim de semana.

Ana Martins disse...

E tantas vezes somos confrontados com a incerteza!

Beijinho,
Ana Martins

Isabel Maria Rosa Furtado Cabral Gomes da Costa disse...

Querida Ju Rigoni:
Obrigada pelo seu olhar sempre carinhoso em "Luz de África".
É bom não termos certezas na vida, minha Amiga. É óptimo não termos tudo como adquirido, garantido, pois só assim temos esperança e lutamos para alcançarmos os nossos objectivos.
Ai de nós no dia em que a certeza se instalar em nossa casa para sempre! Seremos desafortunados, porque daremos como irreversível tanto o bom como o mau. E ficaremos uns convencidos no que ao bom concerne e/ou uns amargurados e desesperados no que ao menos bom respeita. Qual será, a partir desse dia, o propósito da nossa vida?
Um grande abraço para si, minha Amiga.

ju rigoni disse...

À Eliane, Manuela, Tania, Antonio, Nilson, Vitor, Graça, Rosa, mfc, Maria Emília, Nadine, Irene, Rogério, Nita, Ana e Isabel...

meu muito obrigada pela visita e pelo comentário.

Bjs, amigos. Inté!

MeandYou disse...

Olá, Ju!
Andei por aqui lendo e me deliciando com seus lindos poemas. Foi Glorinha quem me avisou desse seu talento e como eu estou 'caçando' os melhores poetas dessa blogosfera para um projeto novo e interessante, gostaria que fosse antes lá em meu blog para entender do que falo.]
Adoraria narrar uma dessas suas lindas poesias.
Não deixe de me visitar no link abaixo:

http://wwwmeandyou-meandyou.blogspot.com/

um abraço carioca