segunda-feira, janeiro 18, 2010

A Revolução dos Pontinhos



Todo poema,
toda prosa, -
toda palavra
pode nelas se esconder.

Quantas vezes o amor,
o ódio, a inveja,
a retórica mentirosa,
a ansiada promessa,
fazem delas a sua morada?

Dúvidas de toda sorte,
reminiscências, angústias,
e até a vida e a morte.
O sinal que hoje doma,
amanhã atiça a fera…

Eternamente grávidas,
gestam pensamentos e emoções
ora interrompidos, ora omitidos,
sugeridos, insinuados,… embriões.

Pontos bem nutridos,
gordinhos de mistérios…
Pontinhos bandidos, safados,
amigos na exceção,
inimigos da censura,
capazes do tudo e do nada, -
a bomba que lançada ao texto
pode arrasar amizade,
amor, família, nação,…
é deus na reconstrução.

Vigiai, pois!…
Que os três inofensivos pontinhos,
que lembram os três macaquinhos,
tão sutis, tão delicados,
tão bonitinhos, assim, lado a lado,
- e sem qualquer movimento -,
vão da ternura à amargura,
do não à revolução,
da dor à felicidade,
em tenaz velocidade,
camicases que são.

- Antes reticências
que um ponto final!

Será?…

Os pontos que guardam palavras
também guardam todos os pontos…

ju rigoni (1977)

Visite também

Dormentes, Navegando... e Medo de Avião.

13 comentários:

angela disse...

Que jeito mais bonitinho de falar dos perigos e armadilhas dos tres pontinhos...
beijos

cirandeira disse...

É realmente incrível o que subjaz
numa reticência. Soubeste captar e
expressar de forma simples, cristalina e cheia de poesia! Parabéns!

Bj

Lara Amaral disse...

É mesmo, o que será pior? Os três pontinhos muitas vezes mostram apatia, desinteresse.

Uau! Que texto!
Beijos.

Walkyria Rennó Suleiman, disse...

é, prefiro um feio não a uma bonita reticência....

giramundo disse...

Às vezes os "pontinhos" falam mais que um longo texto e para um bom entendedor, falam mais do que uma "meia palavra". Têm o seu mistério, nos inquietam ás vezes,
nos fazem refletir, e esse é o seu
aspecto mais interessante.
As reticências são tão ricas, que
criaste esse incrível poema. E eram só uns "pontinhos"!
Bj

Lídia Borges disse...

Sim, as reticências são o infinito!

Sem saber bem porquê abuso delas como quem não tem palavras para o quanto quer dizer.

Obrigada por este poema.

Silvana Nunes .'. disse...

maravilha esses pontinhos. Gostei da colocação.
beijo.

Daniela Figueiredo disse...

Adorei! "Antes reticências que um ponto final". Esses pontinhos também podem esconder as nossas mais proibidas pretensões. Sempre vem carregado de mistério e indagações.
Beijos, Ju, e inté.

PS: Desculpe a ausência, estou em um período de férias de mim.

A.S. disse...

Ju...Ler-te é um puro fascinio!


Um beijo
AL

Wanderley Elian Lima disse...

Olá Ju
Bastante complexo o seu poema, porém muito interessante.
Um feliz fim de semana pra você
Beijos

Daniel Dragomirescu disse...

Gracias por poemas, Ju Rigoni!
Daniel D. PEACEMAN, writer and editor of CONTEMPORARY HORIZON MAGAZINE
E-mail: drgdaniel@yahoo.com

Patrícia Lara disse...

Olá, Ju! Tudo bem?

MARAVILHOSO o teu poema!

Eu sou suspeita para falar, pq ADORO esses três pontinhos que ora são a salvação de toda falta de palavra, ora são a perdição, a angústia, o medo, a raiva...
Às vezes significam tanto. Outras vezes nada!

Perfeito o teu poema... parabéns mesmo!

Um grande abraço e uma semana iluminada pra vc (e com reticências pra lá de interessantes) rs

Patrícia Lara

ju rigoni disse...

Angela, Cirandeira, Larinha, Wal, Giramundo, Lídia, Silvana, Dani, A.S., Wanderley, Daniel e Patrícia...
Agradeço a visita e o comentário.

Bjos e inté!