domingo, agosto 30, 2009

Meu Mar...



Até hoje não consigo explicar
esta minha paixão...

Não sei se é o balé das águas...
Talvez seja o som... A cor!...
Sei que é uma visão
que inunda o meu pensamento, -
afoga a minha razão...
Livre e leve
flutuo na imaginação, -
as emoções ao vento...

Não!
Não sou dona de mim
quando, diante do mar,
tudo que mora aqui dentro
insiste em vir à tona...

Sou criatura marinha,
embora a pele sem escamas...
Sim, não nado em cardumes;
minha sina é fugir das redes...
Mas, doce é a sede que vem do sal
que tempera essas águas, -
como é possível tanta beleza
ter sabor de lágrimas?!...

Nem dia, nem hora...
Ah, o mar é sempre tão lindo!
Na aurora, ao por-do sol,
ou sob o negrume da noite...
Chuva, raio, trovão...
Calmaria ou tempestade,
nada é capaz de abalar
a sua majestade.
Lá está... poderoso...
em dias de sim e de não.
Ondas de poesia
a lamber a areia,
rejuntar-me os grãos...

Ah, o mar...
Meu chão
é feito de água...

Não!
Não sei o que me dá
quando me falta o ar
e, para respirar,
mergulho minh' alma no mar...

ju rigoni (2003)


Visite também

Dormentes, Medo de Avião, Navegando...


3 comentários:

Ariadna Garibaldi disse...

Lembrou-me a canção do Dorival Caymmi "O mar quando quebra na praia, é bonito... é bonito..." O mar inspira, acalma, reflete a infinitude e a grandeza de Deus e nos leva aos confins da terra. Também dentro de nós há um mar de possibilidades, por tudo isso, seu poema é tão bonito e tão verdadeiro.

Beijos mil

Ariadna Garibaldi

Lobodomar disse...

Ju, boa noite.

Sinto-me parte desse poema, como se tivéssemos olhado o mesmo objeto, na mesma hora e no ângulo e, por conta de seu maior talento, deixado a você a incumbência de escrevê-lo.

Digo isso porque o mar também, a meu ver, 'o maior espetáculo da Terra'!. Não me canso de olhar o mar. Praticamente todos os meus melhores momentos foram vividos perto do mar.

Passei vinte longos anos longe do mar. Perdido na poeira do Planalto Central. Era como uma prisão ao ar livre. Agora que voltei pra junto do mar, não pretendo mais sair.

Seu poema descreve, de modo perfeito, o que o mar significa pra mim e a força que ganho junto a ele.

Essa semana, por acaso, deparei-me com a bandeira de Guarapari, onde há um brasão em que se encontra escrito, em Latim, 'Per oras sanatur' ('A saúde vem do mar). Fiquei fascinado porque, ao menos no meu caso, isso se constitui uma verdade absoluta.

Que os outros deuses me perdoem, mas Netuno é o maior!

Obrigado por nos proporcionar a oportunidade de ler esses versos.

Isso foi o máximo:

'Meu chão é feito de água...'

Adorei.


Beijo, Ju.

Carol Freitas disse...

Adorei a beleza do teu mar...

Beijo!