domingo, junho 12, 2011

No Calor do Gelo...



A gente nem se dá conta...
e pelo lado de fora
ele vem chegando...
Instalando-se, sem licença.

Um silêncio agudo
que diz absolutamente tudo,
inclusive que a solidão
já não é escolha...

Não fosse o cd, a televisão, o pc,
as conversas com o sujeito ao espelho,
seria possível esquecer
que o ser humano tem voz.

Mas nem tudo está perdido...

Ainda há aquele som grave,
e um certo tom bem-humorado, -
movimento da multidão
que habita os universos de dentro...

Os mortos... estão bem acordados;
e é bem viva a certeza:
não existem objetos inanimados...

Os sentidos intuídos
nunca fizeram tanto sentido!

Os cômodos ficam enormes,...
e as paredes sussurram ao ouvido
de uma sombra outrora esguia
e agora um tanto encolhida...

Instigam,... os livros na velha estante;
encorajam,... os sorrisos das fotos nos porta-retratos;
tagarelam,... os trecos guardados na cômoda
e nos velhos armários,
como o amarrado de cartas
a repetir histórias que já vão longe...

E como falam!, as roupas, os sapatos,
os perfumes, as bolsas...

As malas!...

Nem adianta entupi-las, e tentar, como antes,
sentar sobre suas bocas para fechá-las...
Serenamente admite-se: a próxima viagem
dispensará bagagem e acompanhante...

As boas lembranças são retalhos do tempo,
unidos pelo colorido das linhas
de horizontes antigos;
manta que aquece;
derrete o gelo do momento...

Dentro,... o silêncio silencia.
Não. Ninguém vive ou fala sozinho,...
seja qual for a estação.

ju rigoni (2008)


Visite também

Dormentes
, Medo de Avião, Navegando...

18 comentários:

Wanderley Elian Lima disse...

Oi Ju
Uma ode à solidão, que em seu silêncio, nos faz refletir, e sofrer lembranças e saudades.
Bjux

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Assim, é...às vezes, nem precisa
ser inverno, o estado da alma é que deteremina os reencontros, o passa-tempo..o diálogo é constante,
chova ou faça sol...

Gosto tanto daqui, ju
Beijinhos

Tania regina Contreiras disse...

Sempre tocando profundamente...Ju: vc me falou tanta coisa e retratou tantas outras!
Beijos,

Maria Emilia Xavier disse...

Ju esse Poema me fez viajar pelo meu momento atual. Poema verdade, que vai fundo em nossas verdades. Gostei de me remexer, de me olhar e de me ver.

Maria Emilia Xavier disse...

Ju esse Poema me fez viajar pelo meu momento atual. Poema verdade, que vai fundo em nossas verdades. Gostei de me remexer, de me olhar e de me ver.

mfc disse...

Na pior das hipóteses estamos acompanhados de nós... o que nem é nada mau!

vitorchuvashortstories disse...

Olá, Ju!

Tema cada vez mais actual, e também mais universal: o da solidão; o viver sozinho, tendo por companhia os objectos a quem por necessidade a memória dá voz, mais aquelas vozes que dentro delas não têm gente...

Mais que um post, este poema é uma maneira sensível e sentida de falar daqueles que pouco a pouco deixam de se ver como gente.Magistralmente escrito;parabéns!

Beijinhos.
Vitor

angela disse...

Algum ar tem que ter, que sejam as lembranças.
Solidão é duro.
beijos

Tais Luso disse...

Ju, querida, a solidão é boa quando a gente pode optar por ela. Mas quando ela vem em sua força arrasadora, levando tudo por terra, deixando os cantos do coração desabitados, aí é difícil. Que eu nunca venha a sentir sua força; que só venha quando eu ordenar, quando dela eu precisar, e por pouco tempo, apenas. Em momentos intercalados.

Grande beijo, lindo e triste. Mas o que será dos poetas sem a tristeza, a melancolia, a alma em frangalhos que a solidão força um abre-alas?
Tais Luso

Graça Pereira disse...

"Ninguem vive ou fala sozinho/ seja qual for a estação"
E feliz daquele que guarda e sabe escutar tantas vozes espalhadas pela casa e, principalmente, dentro de nós!
Só fica sozinho quem quer ou é pobre de recordações!
Dos teus poemas, elejo este como mais autêntico e que abrange a vida de muitos de nós. Belissimo!
Mil beijos
Graça

Isabel Maria Rosa Furtado Cabral Gomes da Costa disse...

Querida Ju:
Extraordinário este poema! Tão triste a solidão, a velhice, o percurso na recta final! Quão fortes temos de ser para enfrentarmos de forma equilibrada, essa fase das nossas vidas!
Fico imensamente feliz com os progressos na saúde da Senhora sua Mãe.
Bem haja pelas palavras que dedicou à minha Mãe e que lhe agradeci em "Luz de África".
Um abraço muito grande para si e outro para a Senhora sua Mãe.

Mariazita disse...

Estar só, é bom, muitas vezes.; sentir-se só pode ser muito triste.
O silêncio envolvente pode tornar-se pesado; aos poucos começa a ser invadido pelas vozes das recordações...

Apesar do tema que envolve uma certa tristeza, o seu poema é belíssimo! Amei!!!

Boa semana, querida. Beijinhos

manuela baptista disse...

a linguagem perdida dos guindastes

ou a fala mansa do que amamos?

muito bonito, Ju!


um beijo


manuela

Ana disse...

Bonita poesia, bonita foto!
Beijinhos.

Long Haired Lady disse...

o silêncio separa mais que as palavras.

Nilson Barcelli disse...

Excelente poema, como é teu hábito.
Mesmo sendo de há 3 anos, o teu poema parece ter sido feito há 5 minutos, tal é a força que dele emana.
Minha querida amiga Ju, tem um bom fim de semana.
Beijos.

ju rigoni disse...

Aos amigos, Wanderley, Lúcia, Tania, Maria Emília, mfc, Vítor, Angela, Taís, Graça, Isabel, Mariazita, Manuela, Ana, Long Haired Lady e Nílson...

meu agradecimento pela leitura e comentário.

Bjs e inté!

SKIZO disse...

BelasPalavras
BoasCriações