domingo, fevereiro 27, 2011

Olvido



Ah, se o silêncio se calasse;
se ao invés de gritar, murmurasse, -
apenas murmurasse...

Se me desse uma chance, -
uma única chance...

Mas repete, repete, e repete,...
palavra por palavra,
o que eu não quero ouvir.

O que pretende esse algoz, -
essa voz que entoa,
sem cerimônia,
esse mantra incoerente
que me cobra o veneno
mortal da serpente?...

Se não me aprumo,
me vence;
tira-me as vidas
com minhas próprias mãos.

Ah, que falta me faz
um silêncio mais silente, -
um silêncio que ouça o que ouso.

No criado-mudo,
alcanço papel e caneta...
Sob a língua, o antídoto, -
comprimidos (di)versos...

E à voz que atormenta
juntam-se outras vozes,
nem tão altas, nem tão claras...

Azuis e ondulados filetes
escorrem...
sobre o branco infinito.
O fim é o início...
O início é o fim...

Recomeços...
Recomeços...

Reconheço as cinzas
das quais renasço...

E o silêncio silencia...

ju rigoni (2001)


Visite também

Dormentes, Medo de Avião, Navegando...

30 comentários:

Colecionadora de Silêncios disse...

Minha querida, em silêncio fico eu, depois de ler obra tão linda tecida em versos.

Parabéns!

Pra mim, vc é uma das maiores poetisas que existe por aqui.

Beijos e a minha admiração, sempre. :)

O Profeta disse...

Ao meu silêncio chegou um riso
O meu desejo mora no limite da razão
Roubando os segredos do corpo
Lembro as tuas mãos como uma torrente de emoção

Lembro que enchi o vazio da tua alma
Enjauladas as asas morrem de dor
A beleza é um momento eterno
É o espelho de água onde se contempla o amor


Doce beijo

Paula: pesponteando disse...

Dias atrás, o silêncio esteve ao me lado. sua mudez me angustiava. desejei tanto uma multidão (dde palavras, pelo menos)mas não hove jeito.
Mas vejo q devo repensar este silenciar depois dos teus versos. lindos versos. é sempre bom passa aqui...

bjão neguinha

Wanderley Elian Lima disse...

Oi Ju
As vezes o silêncio fala tanto que nos incomoda. Renascer é preciso, é impreciso, necessário para que possamos ouvir a nossa própria voz.
Uma ótima semana para você.
Bjux

Guaraciaba Perides disse...

Forte o seu poema! o processo criativo é como um parto, faz barulho, mexe com as estruturas mentais e emocionais ao fim do processo nasce um lindo filho... realmente foi isso que você quis dizer? mas sinto que perdi algo que está atrás da palavra...Um abraço

Graça Pereira disse...

Neste momento não venho comentar...apenas fazer um convite: Zambeziana convida - já está postado!
Mais uma vez, obrigada!
Graça

ju rigoni disse...

Graça, agradeço seu carinho, sua generosidade, sua amizade. Fiquei bem feliz, amiga. Bjs e inté!

Maria Emilia Xavier disse...

Vim da Graça, atrás da Ju que lá conheci em "NO RISCO DA TRAVESSIA" e aqui encontro "OLVIDO"... Estou encantada com tanto sentimento, delicadeza e inspiração. Certo que estarei sempre por aqui, me abastecendo de beleza.

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

o silêncio sempre se faz nos momentos mais crueis

manuela baptista disse...

de um silêncio

silenciosamente sedoso!

obrigada ju, pelas suas palavras

a descobrir na sua plenitude

um abraço

manuela

Sônia Silvino disse...

Simplesmente, amei, Ju!
Beijos, querida!

Denise disse...

Esse pegou fundo, Ju...e eu que passei apenas pra deixar um bjo e te contar da minha saudade, levo comigo a centelha de um entendimento antigo, mas errante - que fique claro, agora...

Fica o bjo - acrescido da alegria que foi estar aqui, onde estava o que precisava ver. Obrigada, querida...

Sonhadora disse...

Minha querida

Desculpe adentrar assim, mas venho do blogue da Graça e gostei muito daqui, poemas muito fortes, estou seguindo para poder voltar.

Beijinhos
Sonhadora

Sonia Pallone disse...

Que lindo Ju! Um dos mais lindos que vc já escreveu...Meu coração sente e agradece...Bjs.

Silenciosamente ouvindo... disse...

Um prazer estar neste blogue.
Voltarei mais vezes.
Parabéns.
Bj.
Irene

Mariazita disse...

Olá, Ju
Venho por indicação da Graça (Zambeziana)onde li o poema "NO RISCO DA TRAVESSIA" de que gostei imenso.
Este espaço é ótimo! Por isso me fiz sua seguidora (gostaria de a ter por seguidora, também).
Embora escreva prosa, sou grande apreciadora de poesia.
De qualidade.
Como a que vejo neste bolg.

Continuarei a vir sempre que tenha disponibilidade.

Continuação de boa semana. Beijinhos

Tais Luso disse...

Ju, querida, um dos teus mais belos poemas!

Entendi sobre este amargo e sofrido silêncio... mas diria, talvez seja eu um pouco diferente: o silêncio me impulsiona, me tranquiliza e me faz renascer. Jamais me tranca ou me consome. Preciso dele mais do que qualquer coisa; é nele que me encontro. Com isso não quero dizer que vivo permanentemente de mãos dadas, mas quando é preciso, ele me acolhe. Tudo comigo tem de funcionar muito calmo, sem muitos ruídos e alaridos. A música clássica é que tem permissão para afugentar este tão doce silêncio.

Meu carinho
Tais Luso

A.S. disse...

Ju... é sempre um momento especial quando te leio!...


Beijos,
AL

Mariazita disse...

Veja só a coincidência: eu também actualizo o blog ao domingo.
Assim sendo, você visita-me e eu visito você...
E ao cruzarmo-nos no caminho, talvez em alto mar :) aproveitamos para dar um beijinho :)

Inté, querida. vemo-nos no domingo.

Marise Ribeiro disse...

Ju, tenho lhe seguido e não tenho lhe escrito por conta da correria, mas este silêncio seu quebrou o meu silêncio e me deu vontade de gritar que o poema é lindo.
Parabéns!
Bjs,
Marise

Silenciosamente ouvindo... disse...

Permite que eu insira um dos
seus poemas no meu http://sinfoniaesol.wordpress.com
basta deixar um comentário.
Bj.
Irene

ju rigoni disse...

Irene, sinta-se à vontade para publicar meus escritos. E desde já, agradeço.

Bjs, querida. Inté!

Graça Pereira disse...

Querida Ju
Venho agradecer-te toda a tua generosidade em me deixares postar um poema teu no Zambeziana e fiquei feliz porque toda a gente gostou da tua POESIA.
Voltarei a repetir a "façanha" outra vez quando fôr oportuno para ti!.
A boa Poesia e Literatura, devem ser divulgadas...
Mil beijos
Graça

nacasadorau disse...

Querida amiga Ju!

Também já li lá na amiga Graça, na nossa fabulosa amiga comum e sei da admiração que ambas nutrimos pela boa poesia e escrita.

De estar só, eu preciso, da solidão me afasto.

No seu belíssimo poema, a solidão a faz encontrar-se e dar tréguas aos pensamentos em turbilhão que teimam em não se silenciar.
Assim é, tantas vezes acontece na vida da gente.
Mas no fim a paz sempre reinará.

Beijinho

Sonia Schmorantz disse...

Há silêncios que gritam....
Lindo poema!
beijo

avesemasas disse...

Boa noite Ju,
sob pena de repetir alguns comentários aqui feitos, também eu venho do blog da Graça para a felicitar por esse talento soberbo.
Tenho a sensação de que já aqui estive, ou então é apenas confusão por já a conhecer dos comentários noutros blogs.

Beijinho,
Ana Martins

Lu Nogfer disse...

Ola Ju!

Que bom ve-la de volta querida!

Tenho estado sem tempo mas sempre que der estarei passando para ler suas belissimas poesias!

Agora vou ver o que andei perdendo por aqui!

Ate+

Beijos!

Glorinha L de Lion disse...

Ju, como fui me perder de vc?
Que prazer te ler e reencontrar tuas palavras e poemas! Esse mundo dos blogs vai nos enredando e acabamos nos perdendo de alguns no turbilhão de pessoas a nos visitar e seguir. Agora, não te largo mais! Já vou te colocar no meu blogroll. Beijos, poema divino!

Mariazita disse...

Olá, Ju
Como ainda não atualizou o seu blog, voltarei mais tarde ou amanhã.
Um bom final de domingo e bom carnaval.
Beijinhos

ju rigoni disse...

À Patricia Lara, O Profeta, Paulinha, Wanderley, Guaraciaba, Graça, Maria Emília, Ediney, Manuela, Sonia, Denise, Sonhadora, Soninha Pallone, Irene, Mariazita, Taís, Albino, Marise, Ná, Soninha Schmorantz, Ana, Lu, Glorinha...

muito obrigada pela visita e comentário.

Bjs e inté!