domingo, agosto 08, 2010

Bem-Me-Vi



(para Amyl, meu pai. 1913-2001)

O pensamento nublado,
o espírito encharcado…
A chuva cai com força
aqui, dentro;
aqui, onde não me conheço;
aqui, onde tudo é segredo…

Mas, lá fora, o vento é brando,
e esta manhã tão azul
não combina com meu pranto.

Tento me abandonar,
sair de dentro de mim,
e caminho devagar,
bem devagarzinho,
para não espantar
esse passarinho
que parece fazer ninho
na árvore que eu plantei.

“Bem-te-vi”, ele revela.
Bem-me-viu esse amiguinho
que decide ser vizinho
num momento tão difícil…

Sento-me ao chão da varanda
olhando para o jardim
e pra esse bichinho tão frágil,
de corpo tão delicado,
de canto tão encantado,
que quase me rouba um sorriso!

Meu Deus! Como posso eu,
em meio à tamanha tristeza,
vislumbrar suavidade,
descobrir tanta beleza?…

Como ouso render-me
ao hiato inevitável
que ao meu pai aponta o chão
e a mim a minha árvore
plena de vida com asas?…

Tudo que me consome,
tudo que me corrói,
em beleza ou fúria,
sabe de cor a natureza.
Eu só sei do mistério.
Eu só sei do que eu não sei…

E eu não sei do nunca mais.

Este céu,
este gorjeio,
as ondas quebrando mansinho,
sem parar,
sem parar,
sem parar…

De janeiro a dezembro
aquele novembro que, eu sei!, voltará…
Pé-ante-pé… Levezinho,
como as folhas dançam na brisa.

A saudade é passarinho
fazendo ninho
na minha ibirapitanga…

ju rigoni


Visite também
Dormentes, Medo de Avião, Navegando...

20 comentários:

angela disse...

O coração não aceita o "nunca mais".
Lindo poema, sensível e emocionado, nem sei o que dizer.
beijos

Wanderley Elian Lima disse...

Lindo demais Ju. A natureza manda-nos seus presentes para no acalentarem nos momentos de tristeza.
Beijos

Tania regina Contreiras disse...

"Meu Deus! Como posso eu,
em meio à tamanha tristeza,
vislumbrar suavidade,
descobrir tanta beleza?…"

Ju, tão lindo e emocionante poema. Uma homenagem tua ao teu pai que me molha os olhos. Os versos que destaco dizem tanto do ofício do poeta, que enxerga a beleza nos momentos mais sombrios. Sou tua fã, já te disse, não?
Beijos,
Tânia

Úrsula Avner disse...

Oi Ju,

doce e delicada escrita poética num lirismo encantador... Lindas imagens poéticas como essa : a saudade é passarinho... Um amor de poema ! Bjs.

Nadine Granad disse...

Fã também ;)
Que delicadeza e música canora!
Lindo demais!
Beijos =)


"Tudo que me consome,
tudo que me corrói,
em beleza ou fúria,
sabe de cor a natureza.
Eu só sei do mistério.
Eu só sei do que eu não sei…"
IDENTIFIQUEI-ME ;)

Sonia Pallone disse...

Seu coração poeta enche o meu de admiração e carinho. Lindos versos, belíssima homenagem! Bjs, Soninha

Tais Luso de Carvalho disse...

‘Mas, lá fora, o vento é brando,
e esta manhã tão azul
não combina com meu pranto.

Tento me abandonar,
sair de dentro de mim,
e caminho devagar,
bem devagarzinho,
para não espantar
esse passarinho
que parece fazer ninho
na árvore que eu plantei.’

Ju, que linda esta tristeza toda... E depois dizem que não há beleza na tristeza. Pelo menos os poetas têm esta magia de transformarem o triste, o feio, o drama em algo lindo para se ler e refletir. Fiquei com vontade de ser esse Bem-te-vi... Coração aberto, acolhendo todas as tristezas espalhadas por aí...

Beijão, amiga!
Tais luso

Nilson Barcelli disse...

"A saudade é passarinho
fazendo ninho..."
Belíssimo poema, querida amiga. Gostei imenso.
Beijos.

Jorge Manuel Brasil Mesquita disse...

É fácil compreender a natureza de seu pai. A natureza sempre nos compreende, infelizmente, nós não a compreendemos. Levará o seu tempo, mas todos lá chegaremos. Bela a natureza de seu pai.
Jorge Manuel Brasil Mesquita
Lisboa, 11/08/2010

Graça Pereira disse...

Junto ao bem-te-vi ...corre uma brisa suave, diferente...poisa naquela árvore plantada por ti...já lá vão uns tempos. Há quem lhe chame de Anjos! Partem...mas voltam mais generosos e condescendentes...aliviam a nossa solidão sem nos apercebermos!
Por terem uma alma que brilha de noite como as estrelas...acompanham-nos nas insónias...ouvindo-nos atentamente os desabafos...
Repara no gorgeio do bem-te-vi... ele canta dobrado...há outra voz que com ele faz coro e diz:
Obrigado, minha Filha!
Encanto-me com a tua Poesia...sabes disso!
Mil beijos... e tb eu digo:Obrigada!
Graça

Zélia Guardiano disse...

Bonito demais, Ju!
Demais mesmo!!!
Emocionei-me ao extremo!
Raramente se encontra homenagem feita assim, tão lindamente, e sem estardalhaço...
Grande abraço, querida, repleto de admiração!

Úrsula Avner disse...

Oi Ju, você falou de sensibilidade lá no meu blog e aqui a sensibilidade transborda em versos singelos e doces... Um amor de poema,onde paira a beleza da poesia e da alma da poetisa. Bjs.

Patrícia Lara disse...

Ju, querida, os seus escritos são verdadeiras pérolas! Obras de arte!
Magníficos... parabéns!

Beijos,
Patrícia Lara

Luciano Azevedo disse...

Ju,
lindo poema! Bjo.

ju rigoni disse...

À Angela, Wanderley, Tania, Úrsula, Nadine, Sonia, Taís, Nilson, Jorge, Graça, Zélia, Patrícia, Luciano...

meus sinceros agradecimentos pela visita e comentário.

Bjs em todos. Inté!

Daniela Figueiredo disse...

Lindo, Ju! Sou como parte do teu poema: "Eu só sei do mistério.
Eu só sei do que eu não sei…
E eu não sei do nunca mais". Ainda estou me descobrindo. Beijos.

ju rigoni disse...

Dani, obrigada e comentário.


Bjs e inté!

POEMAS TECIDOS disse...

Ju, eu é que me encantei com as suas poesias. É uma maravilha encontrar pessoas que escrvem tão maravilhosamente como você.


Abraços.

ju rigoni disse...

Luciene,

agradeço sua visita e comentário.

Bjs, poeta. E inté!

Izabel Lisboa disse...

Olá Ju! Obrigada pela visíta em meu blog! Vim te visitar também e estou encantada com seus textos e sua sensibilidade! Beijos!
Bel